Superávit | IMPRO fecha 2019 com patrimônio líquido de quase R$ 250 milhões

Pelo 5º balanço consecutivo, o Instituto Municipal de Previdência Social dos Servidores de Rondonópolis – IMPRO fecha o ano com evolução de patrimônio bem acima da inflação.

De acordo com a consultoria de investimentos Sete Capital, a autarquia encerrou 2019 com R$ 249.250.230,28 em seu patrimônio. O valor é R$ 17.186.839,77 a mais que os números divulgados em janeiro do mesmo ano. Naquele mês a “poupança” que vai garantir o pagamento de benefícios futuros era R$ 230.063.390,21.

A evolução nos 12 meses de 2019 foi de 7,41%. O resultado para um cenário de economia instável foi comemorado pela diretoria do IMPRO. “Os números são excelentes, passamos por um período de grande turbulência. Atribuo esse resultado a competência da nossa gerente de Finanças de Investimentos Lucinete Oliveira e ao nosso Comitê de Investimentos que aprovou as propostas de aplicações, sem ressalvas. Quando se trabalha com união e seriedade o resultado sempre aparece”, o elogio é do diretor executivo da IMPRO Roberto Carlos Correa de Carvalho.

Em quase cinco anos, evolução do patrimônio líquido do Instituto é de quase R$ 110%. Em julho de 2015, o acumulado era de R$ 119 milhões.

Investimentos seguros

Umas das estratégias do IMPRO adotada nos últimos 54 meses, período correspondente ao mandato da atual diretoria, é priorizar investimentos em bancos públicos. Dos atuais R$ 249.250.230,28, mais de R$ 200 milhões estão em fundos de investimentos da Caixa Econômica Federal e do Banco Brasil. Hoje 80% do bem maior do servidor está em instituições seculares. “Quando assumimos o IMPRO decidimos por realizar operações mais conservadoras, porém mais seguras. É dessa forma que realizamos nosso trabalho sem sustos”, explica Roberto Carlos.

A boa rentabilidade, aliada a segurança deve garantir bons números em 2020. No início deste ano o Comitê de Investimentos aprovou nas aplicações na casa dos R$ 4 milhões. Cerca de 75% desse valor foi destinado para Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil.