Muita gente quer fazer previdência privada, mas reclama que não sobra dinheiro para poupar.

Foto: senado

E não tem outra saída: a primeira coisa a fazer é gastar menos revendo supérfluos.

Diminuir o pacote de TV a cabo, comprar só o necessário no mercado, falar um minuto por ligação no celular já é o suficiente. Cortar jantares e baladas por um tempo, usar o carro só para o indispensável, diminuir um dia de diarista, o salão de beleza e renegociar dívidas, alongando prazos.

Isso pode fazer falta, mas não para viver. Acredite: é possível reduzir uns 15% do gasto mensal com pequenas atitudes.

Contas reequilibradas – o que pode levar de 3 a 6 meses -, é hora de mudar a postura.

Algumas dicas: compre à vista, mas se não tiver todo o dinheiro, nunca financie em mais de 3 vezes. Assim é fácil controlar e a dívida vai embora logo.

Segundo: se pensa numa viagem de férias, pague antes de embarcar. Além da tristeza da volta, você terá só as comprinhas para pagar e não a viagem inteira.

Terceiro: espere promoções para trocar de carro, pesquise muito as taxas de financiamento e financie em, no máximo, 24 meses que, aliás, é o prazo ideal para a troca. O carro não desvaloriza tanto e é quando termina a garantia.

Com medidas simples você consegue depositar uns 10% de sua renda líquida, todo mês, na previdência privada.