Brasil sedia fórum sobre sistemas de proteção social

O sucesso brasileiro na redução da pobreza e da desigualdade, na melhoria das condições de saúde, de educação, de renda e de inserção no mercado de trabalho fez com que o Banco Mundial escolhesse o Brasil para sediar o “Fórum de Aprendizagem Sul-Sul 2014: Desenhando e Implementando Sistemas de Proteção Social e Trabalho”, que começa nesta segunda (17) e vai até sexta-feira (21), no Rio de Janeiro.

A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Tereza Campello, lembra que o Brasil, nos últimos 10 anos, se consolidou como referência em políticas sociais e que isso motivou a visita de representantes de outros países para conhecer os programas. “Nós já recebemos no Brasil um número enorme de delegações, buscando essa troca de informações e tentando ver como o País tem resultados tão positivos. São experiências interessantes e inovadoras”, afirma a ministra.

Tereza Campello e os secretários Paulo Jannuzzi (Avaliação e Gestão da Informação), Luis Henrique da Silva de Paiva (Renda de Cidadania) e Tiago Falcão (Superação da Extrema Pobreza) estarão presentes na abertura do evento.

Entraves

Alguns países enfrentam dificuldades em coordenar os programas de proteção social e de trabalho. Muito deles investem parte substantiva do seu Produto Interno Bruto (PIB) em assistência social, porém não existe uma integração entre as políticas, o que contribui para a ineficiência e baixa cobertura dos projetos sociais. Essas questões serão debatidas no Fórum de Aprendizagem Sul-Sul 2014 por 250 pessoas de 50 países da África, Ásia, Oriente Médio, América Latina e Europa Oriental.

É neste contexto que representantes brasileiros explicarão como o País está vencendo a barreira de articular os programas com estados e municípios. Além disso, outros países clientes do Banco Mundial debaterão suas experiências na luta contra a pobreza extrema e procurarão responder à pergunta: Como sistemas de proteção social e trabalho, sustentáveis e inclusivos, podem ser desenhados e implementados em contextos econômicos e demográficos desafiadores? Será também dada atenção especial aos instrumentos de prestação de serviços.

Além do debate, os participantes irão fazer visita em campo para conhecer os beneficiários do Bolsa Família nas cidades do Rio de Janeiro (Rocinha, Vidigal e Alemão), Búzios, Magé e Saquarema.

Economia

A World Without Poverty (WWP) é uma plataforma com informações sobre superação da pobreza que tem o MDS como o coordenador das ações. A iniciativa será lançada na sexta-feira (21), no Fórum de Aprendizagem Sul-Sul 2014, pela ministra Tereza Campello.

O Brasil está ajudando a desenvolver essa ferramenta, assim como o conjunto de documentos que originalmente vai compor esse centro. A ideia do WWP é que ele não seja apenas um repositor de documentos, mas uma ferramenta de produção e de divulgação, com troca de informações e de aprendizagem.

Com o WWP, os países que enfrentam problemas de como coordenar ações de combate à fome, poderá consultar a plataforma evitando o deslocamento de delegações estrangeiras até o Brasil, como ocorre hoje. “Isso possibilita economia e rapidez na divulgação da informação”, explica a ministra.

Aprendizagem

Semana passada, o Banco Mundial promoveu o Encontro da Comunidade de Aprendizado em Transferências Monetárias na África, em Fortaleza. A iniciativa possibilitou o compartilhamento de experiências nas áreas de assistência social, transferência de renda e de inclusão produtiva para integrantes de governos de países africanos, que participam da Comunidade de Aprendizagem dos países africanos (CoP).

A CoP é formada por 29 países e se encontra presencialmente a cada dois anos, com o seguintes objetivos: consolidar o grupo como uma comunidade, promover o diálogo e o trabalho em rede, discutir temas relevantes e estabelecer as próximas ações.

Fonte:
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome