100% dos servidores e prestadores de serviço do IMPRO já tomaram vacina

Segundo o último levantamento da diretoria do Instituto Municipal de Previdência Social dos Servidores de Rondonópolis – IMPRO, todos servidores do órgão já receberam ao menos uma dose da vacina contra a Covid-19.

A pesquisa também mostra que os prestadores de serviços, que frequentam a autarquia com rotina semanal, também receberam no mínimo uma aplicação.

A previsão é de que até outubro 100% estejam imunizados com as duas doses. “O que mais trabalhamos nesse período de pandemia é a conscientização. Infelizmente alguns foram contaminados, mas tiveram consideração com os outros, ficaram em casa e comunicaram o fato para a diretoria. Graças a Deus não tivemos surto dentro do prédio. Isso mostra a responsabilidade do nosso pessoal e respeito com a vida”, destaca Roberto Carlos Correa de Carvalho, diretor Executivo do IMPRO.

Além de cuidar do bem-estar do grupo de colaboradores, o IMPRO também montou, desde o início da pandemia, um protocolo rígido de segurança. Desde então, servidores e sociedade são estimulados a procurarem o atendimento remoto.

O acesso ao prédio é limitado para poucas pessoas. Quando existe a comunicação de um caso, toda a estrutura é sanitizada, desde a calçada de entrada até a última sala. “Além do nosso pessoal, também precisamos cuidar dos nossos atendimentos. Boa parte já tem mais de 60 anos e são mais vulneráveis à ação desse vírus. Até agora estamos seguindo bem e até tudo isso acabar vamos continuar dessa forma”, explica, Rozimar Auxiliadora da Cunha, gerente de Administração do IMPRO.

Mesmo com a vacinação em andamento, a população não deve se descuidar. A taxa de ocupação em UTIs ainda é alta e os casos diários de pessoas com vírus ativo seguem próximos dos mil. “É preciso continuar usando máscara cobrindo boca e nariz, álcool 70% no bolso, distanciamento social e vacina. Apelo a todos, em especial para aos colegas do serviço público, que se vacinem, não percam as datas. Vamos disseminar uma corrente pelo bem, pela saúde e acabar de vez com essa doença que matou mais 900 rondonopolitanos. Eu acredito nas vacinas! Vacina já!”, conclui Roberto.

Vacinação

De acordo com dados fornecidos pela Prefeitura de Rondonópolis, até quarta-feira (11), 127.680 pessoas receberam a primeira dose da vacina. Outras 50.281 já estão com a segunda dose no braço.

Sintomas

A manifestação do covid pode variar de casos assintomáticos e manifestações clínicas leves, até quadros moderados, graves e críticos.

Caso assintomático

Caracterizado por teste laboratorial positivo para covid-19 e ausência de sintomas.

Caso leve

Caracterizado a partir da presença de sintomas não específicos, como tosse, dor de garganta ou coriza, seguido ou não de anosmia, ageusia, diarreia, dor abdominal, febre, calafrios, mialgia, fadiga e/ou cefaleia.

Caso moderado

Os sintomas mais frequentes podem incluir desde sinais leves da doença, como tosse persistente e febre persistente diária, até sinais de piora progressiva de outro sintoma relacionado à covid-19 (adinamia, prostração, hiporexia, diarreia), além da presença de pneumonia sem sinais ou sintomas de gravidade

Caso grave

Considera-se a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Síndrome Gripal que apresenta dispneia/desconforto respiratório ou pressão persistente no tórax ou saturação de oxigênio menor que 95% em ar ambiente ou coloração azulada de lábios ou rosto). Para crianças, os principais sintomas incluem taquipnéia (maior ou igual a 70 rpm para menores de 1 ano e maior ou igual a 50 rpm para crianças maiores que 1 ano), hipoxemia, desconforto respiratório, alteração da consciência, desidratação, dificuldade para se alimentar, lesão miocárdica, elevação de enzimas hepáticas, disfunção da coagulação, rabdomiólise, cianose central ou SpO2 <90-92% em repouso e ar ambiente, letargia, convulsões, dificuldade de alimentação/recusa alimentar.

Caso crítico

Os principais sintomas são sepse, síndrome do desconforto respiratório agudo, síndrome do desconforto respiratório agudo, insuficiência respiratória grave, disfunção de múltiplos órgãos, pneumonia grave, necessidade de suporte respiratório e internações em unidades de terapia intensiva.

Informações retiradas no site do Ministério da Saúde